O Comitê Gestor do Corredor Ecológico Sossego-Caratinga realizou entre os dias 17 e 18 de março, cidade de Simonésia, a primeira reunião para definir como se dará a execução do projeto do Corredor Ecológico Sossego-Caratinga, primeiro do estado. Estiveram  reunidos representantes do Instituto Estadual de Florestas (IEF), prefeituras e organizações da região para elaborar o regimento interno e o plano de ação do Comitê Gestor. Foi discutido as ações prioritárias, diante de questões levantadas pela população local, para proteger as nascentes e remanescentes vegetais, além de promover a regularização ambiental das propriedades na área verde. 

A próxima reunião, marcada para 28 de abril, será feita para finalizar o regimento interno que vai definir como atuará o Comitê e quais serão os membros dos cinco grupos temáticos. Os temas Agroecologia e sistemas agroflorestais, Políticas Públicas Para Conservação, Pesquisa Científica, Fomento ao Turismo, Comércio e Economia e Educação Ambiental e Divulgação serão trabalhados separadamente. A cada quatro meses todos os grupos se reúnem para unificar o andamento do projeto.

O objetivo principal do projeto é promover a conexão de áreas de Mata Atlântica da região tendo como eixo de ligação as Reservas Particulares do Patrimônio Natural Mata do Sossego, em Simonésia, e Feliciano Miguel Abdala, em Caratinga, explica o gerente de criação de Áreas Protegidas do IEF, Paulo Fernandes Scheid.

Para tal, o projeto prevê ações em uma área de 66.424,5607 hectares que está inserida em sete municípios: Caratinga, Simonésia, Manhuaçu, Ipanema, Santa Bárbara do Leste, Santa Rita de Minas e Piedade de Caratinga. O principal objetivo do projeto é priorizar e unificar investimentos e esforços para a conservação e recuperação dessas áreas.

O projeto Corredor Ecológico Sossego-Caratinga foi criado em 2014 fruto de uma parceria entre o IEF e a Fundação Biodiversitas. A região está inserida no bioma Mata Atlântica e abriga rica biodiversidade, incluindo espécies ameaçadas, em especial o muriqui-do-norte (Brachyteles hypoxantus), considerado criticamente ameaçada de extinção.

O IEF, coordenador do Comitê, busca conservar e recuperar áreas de Mata Atlântica que estão segmentadas e/ou de responsabilidade das diversas instâncias municipais, estaduais e federais criando acordos de preservação entre os responsáveis e em alguns casos a criação de um espaço verde que interligue as áreas e favoreça a proteção ambiental local. Há proposta da criação de outros corredores em todo o estado. 

Fonte : Agência Minas

Corredor Ecológico Sossego-Caratinga.

Data: 07 / 04 / 2015.

A região abriga o muriqui-do-norte (Brachyteles hypoxantus), considerado criticamente ameaçado de extinção.

O objetivo principal do projeto é promover a conexão de áreas de Mata Atlântica da região .