A pesquisa intitulada “Assembléia de Chiroptera do Parque Estadual do Rio Doce, Minas Gerais: Composição, Riqueza e Estratificação vertical” desenvolvida por Luciany de Oliveira sob a coordenação do pesquisador e professor Dr. Renato Gregorin da Universidade Federal de Lavras foi finalizada. Os pesquisadores inventariaram a fauna de morcegos através de redes de neblina e busca ativa a fim de caracterizar e avaliar a riqueza, abundância e estrutura das espécies de morcegos no PERD. Foi analisado quantitativa e qualitativamente a estratificação vertical, comparando as assembléias de morcegos do sub-bosque e do dossel. Foram 40 dias de coletas em oito pontos dentro da unidade de conservação. Foram capturados 241 morcegos, distribuídos em quatro famílias, 15 gêneros e 24 espécies. A família Phyllostomidae foi a mais numerosa em relação a quantidade de espécies amostradas, seguida de Molossidae. As espécies com o  maior número de indivíduos foram Carollia perspicillata e Artibeus lituratus, ambos frugívoros e Desmodus rotundus espécie hematófaga. Com estes  resultados é conhecido para o PERD até o momento um total de 32 espécies de morcegos, distribuídas em cinco famílias. As assembléias de morcegos apresentaram-se diferentes para o sub bosque e para o dossel, o que pode estar relacionado a diferenças ecológicas, morfológicas e comportamentais entre as espécies, influenciando no uso do espaço vertical conforme argumentam os pesquisadores deste estudo. Para os pesquisadores, a utilização de redes de neblina no dossel permitiu um inventário mais completo com o aumento da riqueza de morcegos na área, evidenciando a necessidade de se amostrar outros estratos da floresta para se conhecer de forma mais efetiva a assembléia de quirópteros de uma localidade.

NOVAS ESPÉCIES DE MORCEGOS SÃO REGISTRADAS PARA O PERD

Durante a execução de pesquisas com morcegos no Parque Estadual do Rio Doce coordenadas pelo pesquisador e professor Dr. Renato Gregorin da Universidade Federal de Lavras, novas espécies de morcegos foram registradas para a unidade de conservação. Dryadonycteris capixaba tinha sido descrita até então somente para o ES e o registro no PERD desta espécie é segundo no Brasil e o primeiro para Minas Gerais. Foram coletados dois exemplares da espécie na sede administrativa atrás dos alojamentos do Centro de Pesquisa. A espécie pertence a família Phyllostomidae, sendo a única descrita para o gênero Dryadonycteris. A alimentação consiste no néctar das plantas. A outra espécie pertence ao gênero Eumpos. Esse gênero apresenta atualmente 17 espécies e esse número tende a aumentar com as novas amostragens em áreas remotas da região neotropical. A nova espécie Eumops chimaera foi observada em 2013 no Parque Estadual do Rio Doce quando um individuo sobrevoava uma das lagoas do Parque, sendo  capturado pelos pesquisadores. A espécie até então havia sido registrada somente na Bolívia e a alimentação consiste basicamente de insetos. Este registro é o primeiro para o PERD e o segundo para a espécie.

Fonte: Boletim Muriqui – Parque Estadual do Rio Doce – julho 2015

 

PESQUISAS COM MORCEGOS NO PARQUE ESTADUAL DO RIO DOCE

Data: 10 / 09 / 2015.

Desmodus rotundus espécie hematófaga

Artibeus lituratus espécie frugívora