Medida tem como objetivo preservar a fauna aquática para repovoar o rio e foi tomada a pedido de pescadores

O Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), por meio do Grupo Especial de Defesa da Fauna (Gedef) expediu Recomendação ao Instituto Estadual de Florestas (IEF) para que seja proibida a pesca nos rios estaduais afluentes do Rio Doce. A Recomendação foi emitida em 21 de março e o IEF tem 20 dias para respondê-la.

Segundo o documento, o acidente provocado pela mineradora Samarco, em novembro de 2015, quando uma barragem da empresa se rompeu, inundando o Rio Doce com lama de minério, causou alterações adversas das características do meio ambiente, afetando negativamente a fauna aquática, com piora da qualidade da água do rio, mortandade de peixes e da vida aquática.

O acidente também prejudicou atividades sociais e econômicas, como a pesca, o que poderá resultar no seu aumento nos afluentes do Rio Doce com o fim do período defeso da piracema.

Em 9 de dezembro de 2015, pescadores da Colônia Z-19, que abrange uma área desde Ponte Nova até Aimorés, preocupados com o risco de extinção de espécies de peixes que foram dizimados pela onda de rejeitos do rompimento da barragem, procurou o Ministério Público e solicitou que fossem adotadas providências visando à proibição da pesca em alguns pontos dos afluentes do Rio Doce. O objetivo é proteger as espécies ali existentes, assegurando sua sobrevivência e a possibilidade de sua reintrodução no rio.

O estabelecimento de proibição da pesca e suas condições competem ao IEF, que tem o prazo de 20 dias para informar ao Gedef sobre as providências adotadas.

A iniciativa  soma a solicitação do Comitê de Bacias do Rio Piracicaba dirigida ao IEF em janeiro solicitando a proibição da Pesca na Bacia do Rio Piracicaba.

Fonte:  https://www.mpmg.mp.br/comunicacao/noticias/

MPMG recomenda que pesca nos afluentes do Rio Doce seja suspensa

Data: 07 / 04 / 2016.

O Acidente da SAMARCO   afetou negativamente a fauna aquática

Encontro do Rio Piracicaba com o Rio Doce