A Tragédia provocada pelo rompimento da Barragem de Rejeitos da SAMARCO impactou negativamente a Bacia do Rio Doce em toda sua extensão. A Lama Tóxica varreu rios afluentes e toda  a calha do rio Doce atingindo o oceano, levando destruição e morte. As ações de recuperação devidas pela empresa ainda não se iniciaram. O estado por sua vez permanece omisso, nem foi capaz de publicar uma portaria proibindo a pesca na bacia para a proteção da biodiversidade aquática.

Enquanto isso  estimulada pela ausência de fiscalização e omissão dos órgãos gestores de meio ambiente outra tragédia se abate sobre a bacia. Dragas clandestinas e outras  com autorização  do DNPM para pesquisa   mineral, sem anuência dos Comites de Bacias, reviram o leito  do Rio Doce e do Piracicaba a procura de ouro. O impacto é grande não só pela movimentação dos sedimentos de fundo do rio liberando metais pesados ali depositados por décadas de degradação ambiental, mas pela tecnologia empregada na apuração do ouro utilizando o mercúrio.

O Comitê de Bacia do Rio Piracicaba enviou oficio ao IGAM e a Subsecretaria de Fiscalização do Estado de Minas Gerais solicitando informações e providências mas ate essa data  não tivemos nenhum retorno.

A Bacia do Rio Doce não suporta mais essa agressão.  É necessário que as ações reais de recuperação da Bacia   iniciem imediatamente, que o estado se faça presente e atuante.

O Doce não pode morrer !

Nova Tragédia na Bacia do Doce

Data: 08 / 09 / 2016.

O impacto é grande não só pela movimentação dos sedimentos de fundo do rio

Dragas clandestinas reviram o leito  do Rio Doce e do Piracicaba a procura de ouro.