PELOS SERES VIVOS, RAROS  ESCASSOS ESPECIAIS.

FUNDAÇÃO RELICTOS

NOTÍCIAS  194

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O rinoceronte negro ocidental foi declarado extinto oficialmente. .

 

O rinoceronte negro ocidental ( Diceros bicornis longipes ), subespécie que tinha como habitat Camarões na África ocidental, foi declarado extinto oficialmente. A notícia foi dada na atualização da Lista Vermelha da União Internacional de Conservação da Natureza (IUCN, da sigla em inglês), que cataloga e classifica as espécies em risco de extinção, nos sites :

http://iucn.org/media/news_releases/?10167/5/Salvar-a-rede-da-vida, http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2011/11/111110_rinoceronte_negro_bg.shtml.

De acordo com a organização, apesar dos esforços dos programas de conservação 25% das espécies de mamíferos correm risco de extinção.

A subespécie de rinoceronte branco na África Central ( Ceratotherium simum cottoni ) foi classificada como possivelmente extinta na natureza. O rinoceronte javanês ( Rhinoceros sondaicus ) também está quase desaparecendo, a subespécie Rhinoceros sondaicus annamiticus , rinoceronte javanês que habitava o Vietnã, está provavelmente extinta, desde que o último animal que se tinha conhecimento foi caçado no Vietnã, em 2010. A espécie de rinoceronte javanês só não foi declarada extinta, pois ainda existe uma pequena população em declínio desta espécie em Java. De acordo com a entidade, é possível que outra subespécie, o rinoceronte-branco-do-norte, típico da África Central, também esteja extinta.

 

No Vale do Aço

· Quais as taxas anuais de extinção, ou declínio no número de espécies animais e vegetais nos fragmentos de floresta tropical decídua no Vale do Aço, incluindo o PERD, a ponto de não haver mais capacidade dessas espécies voltarem a ter populações numerosas, devido à perda de variabilidade genética?

· Como a poluição atmosférica e hídrica estão provocando a erosão da biodiversidade, com perda de espécies ainda não  descritas e classificadas, em áreas ecologicamente cruciais para nós, como as matas ciliares, áreas alagadas, lagos e rios?

· Qual é a dimensão do impacto produzido pela pressão urbanística e pelo desmatamento na zona de amortecimento  do Parque do Rio Doce?

· Quanto o Vale do Aço está perdendo em termos do potencial econômico dessas espécies para a produção de medicamentos, controle biológico de pragas e doenças agrícolas, potencial genético para produção de madeira nativa de alto valor de mercado?

Estas e muitas outras perguntas estão sem resposta pela ausência de pesquisa, pela não utilização dos conhecimentos já disponíveis e também pela postura de muitos pesquisadores e universidades não sintonizadas com a realidade ambiental  das comunidades locais.

Precisamos mudar nosso comportamento. Cada espécie que é extinta corresponde a inúmeras portas que  se fecham  exterminando possibilidades que poderiam sustentar nossa  permanência  em uma das regiões que liderava a economia de Minas Gerais.

O  Plano Diretor de Desenvolvimento Integrado da Região Metropolitana do Vale do Aço deveria conter propostas práticas para uso das riquezas da biodiversidade do PERD, estancando o processo de erosão de sua biodiversidade e, ao mesmo tempo criando mais uma opção de desenvolvimento para o Vale do Aço saldando parte de uma dívida com a Mata Atlântica e as populações humanas afetadas pelo seu desaparecimento. 

Rinoceronte-negro-do-oeste é declarado oficialmente extinto.

Data: 06 / 02 / 2014.